5 razões para preferir biológicos

“A Agricultura Biológica é um modo de produção que visa produzir alimentos e fibras têxteis de elevada qualidade, saudáveis, ao mesmo tempo que promove práticas sustentáveis e de impacto positivo no ecossistema agrícola. Assim, através do uso adequado de métodos preventivos e culturais, tais como as rotações, os adubos verdes, a compostagem, as consociações e a instalação de sebes vivas, entre outros, fomenta a melhoria da fertilidade do solo e a biodiversidade.” 
O post de hoje é dedicado às razões que me levam a preferir, sempre que possível, comprar produtos alimentares que sejam produzidos com estas regras base. E como sinto que ainda existem algumas dúvidas por parte de muitas pessoas relativamente a esta questão, o meu primeiro argumento vai para a veracidade dos produtos:



1. Os produtos verdadeiramente biológicos são certificados e facilmente identificáveis

Sempre que procurar produtos biológicos pré-embalados, deve tentar encontrar este símbolo, o logotipo europeu de agricultura biológica, e que obedece aos critérios do Reg. (CE) n.º 834/2007 . Atenção para o facto de que os produtos cosméticos e detergentes biológicos obedecem a legislação diferente pelo que não encontrarão este símbolo. Se forem a mercados ou supermercados biológicos podem ter a certeza da certificação dos produtos falando com os produtores ou responsáveis das lojas e pedindo os certificados de produção dos seus agricultores. Neste caso a agrobio pode ser uma grande ajuda para dar respostas às vossas questões.
2. Os produtos biológicos têm uma carga tóxica muito menor.
Na agricultura biológica não se recorre à aplicação de pesticidas nem adubos químicos de síntese, nem ao uso de organismos geneticamente modificados (que a longo prazo criam resistência a antibióticos e outros medicamentos no nosso organismo). Assim consegue garantir-se que os produtos são mais saudáveis para os consumidores e que não estão associados com a incidência de algumas doenças, nomeadamente alergias e doenças de pele.  Se quiserem escolher uma lista de alimentos que devem absolutamente ser biológicos comecem pela lista dos “Dirty dozen”, considerados os 12 alimentos com maior concentração de químicos:
  1. Morangos
  2. Maças
  3. Espinafres
  4. Cerejas
  5. Nectarinas
  6. Tomates
  7. Pêssegos
  8. Pimento vermelho
  9. Aipo
  10. Uvas
  11. Pepinos
  12. Tomate cherry

3. A agricultura Biológica respeita a Natureza
A agricultura biologica tem uma filosofia de respeito pelo bem-estar animal dando-lhes uma alimentação e condições de vida que lhes permitem ser naturais e que não recorre a antibióticos e hormonas de crescimento. Esta regra é importante para todas as práticas mas sobretudo para pessoas que consomem carne e derivados diariamente, incluindo o leite e os ovos, que contêm uma elevada carga hormonal capaz de interferir, a longo prazo, com o equilíbrio hormonal do corpo humano. 

4. A agricultura biológica é uma forma de produção mais sustentável para o ambiente
Por não conter químicos de síntese e por não recorrer a OGM, este tipo de agricultura permite que exista uma produção menor de gases do efeito de estufa, menor poluição dos solos e água e maior pureza do ar. Além disso, neste tipo de agricultura deve fazer-se uma rotação de culturas o que significa que um campo pode ter plantadas beringelas, batatas, curgetes e cenouras ao longo de poucos anos. Esta prática enriquece o solo em termos de nutrientes tornando-os mais férteis. 

5. A agricultura biológica apoia os pequenos produtores e traz mais proximidade interpessoal
Tendo em conta que em Portugal esta ainda é uma prática pouco massiva, a maior parte dos produtores biológicos são pequenos produtores. A aposta nestes produtos ajuda os seus negócios a crescerem e, a longo prazo, permite uma descida dos preços finais praticados ao consumidor. Além disso muitos dos pequenos produtores biológicos vendem os seus produtos em mercados organizados (em lisboa a Agrobio tem vários) o que permite aos clientes terem maior proximidade com os agricultores e informarem-se melhor sobre a origem dos seus produtos.
Em áreas de grande consumo como Lisboa, Porto, Oeiras e Cascais, já existem várias marcas que optam pela entrega de cabazes destes produtos ao domicilio. Hoje em dia começam a crescer cada vez mais as lojas de especialização de venda destes produtos como o Celeio, o Brio, o Amor Bio, ou o Alfazema e começamos também já a ver, embora ainda em pequeninas quantidades e com pouca variedade, estes produtos pré-embalados, nas grandes superfícies como Continente ou Pingo Doce. 
Convencidos? 🙂 Experimentem alguns produtos e vejam por vocês mesmos!
1 Comentários
  • Milú

    Responder

    Boa tarde,

    Devo fazer algumas ressalvas.

    1)Tecnicamente falando os produtos biológicos podem levar produtos químicos, desde que o recurso a outros meios seja ineficaz ou usem adubos não orgânicos. Os produtos sem qualquer produto químico são os denominados orgânicos.

    2) A maioria de produtores biológicos certificados não são assim tão pequenos, pois é necessário muitos mais recursos, de forma a garantir que realmente o produto pode ter o selo biológico.

    3) Convém acima de tudo comprar a produtores certificados. Porquê? Bem eu posso ter uma horta muito engraçada e não ponho qualquer produto químico, mas como não faço análises à água de rega, não sei que teor de nitratos estou a incluir nos produtos. Ora se os nitratos são cancerígenos e existem limites obrigatórios a respeitar por motivos de saúde pública…..E se aos que existem nos lençóis de água eu juntar os dos adubos(orgânicos ou não), as coisas não ficam bonitas.

    4)A rotação de culturas é obrigatória em toda a produção agrícola, devendo-se respeitar os pousios. Para controlar este ponto são tiradas fotos de satélite às parcelas agrícolas por um dos organismos do Ministério da Agricultura.

    5) Em Portugal, OGM só cereais e não pode ser para consumo humano. Mas se come carne ou peixe (de viveiro) come OGM porque a maioria da ração deles já é feita com base em OGM.Atenção: não estou a dizer que todos os produtores de aquacultura ou produção animal alimentam os animais com ogm, mas há quem o faça.

    Conheço em primeira mão como as coisas funcionam, e tenho bastante cuidado com o que levo para casa. Sou apologista de uma agricultura mais ecológica, afinal só temos este mundo e temos que cuidar dele, já que o agredimos bastante. Infelizmente ainda existe muita desinformação.

    As maçãs portuguesas não são das piores, as alfaces deviam estar a par dos morangos.

    Tânia

    P.S. Produtos portugueses com menor nº de químicos (quando consumidos na época): Melão Branco, Melancia, Abóbora.

Deixar Comentário