mafalda

Bem-vindo ao Loveat, o meu espaço pessoal onde posso partilhar consigo tudo o que sei sobre uma vida mais saudável e feliz! Aqui pode acompanhar diariamente as minhas rotinas, as minhas refeições, as minhas viagens, o meu trabalho e até os meus momentos de descanso. Porque acredito que uma vida saudável depende, não só de uma alimentação equilibrada e de exercício físico, mas também de momentos de lazer e descanso. Espero que goste, que se reveja, e que se mantenha por perto!

Mafalda Rodrigues de Almeida

Aquilo que sempre quis seguir quando era miúda foi veterinária. No entanto, a minha paixão sempre foi a alimentação saudável, a cozinha, e a nutrição. Tinha que seguir essa paixão porque sempre acreditei na máxima de que se fizermos o que realmente gostamos não teremos de trabalhar um único dia. Não tenho ninguém da família a trabalhar na área de saúde mas sempre soube que o meu caminho ia passar por ai.

Adorava ver a minha bisavó a preparar uma mesa de festa. Eram horas de trabalho com uma atenção eximia ao pormenor e uma comida deliciosa que apetecia só pelo cheiro. Quando era miúda lembro-me de por a gravar em VHS programas de cozinha como os da Marry Berry e da Martha Stewart e, mais tarde do Jamie Oliver, Nigela Lawson e Anthony Bourdain. Chegava das aulas e ficava a lanchar e a sonhar com todas aquelas receitas.

Sempre fui uma grande geek da matemática e da física mas, ao mesmo tempo, era igualmente fixada em filosofia e psicologia, por isso, na verdadeira hora de escolher o meu percurso profissional tive que dar ouvidos ao coração. Felizmente a minha família sempre me deu total liberdade de escolha e sempre acharam que, com a minha determinação, qualquer que fosse o percurso escolhido, iria correr bem.

Percurso académico e profissional

Licenciei-me em Ciências da Nutrição pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz e, depois disso, segui para Londres para me formar como Mestre em Politicas alimentares na City University London. Comecei o meu percurso na Clínica Dra Teresa Branco a assistir às consultas de outras nutricionistas e, posteriormente, estagiei na Eurest onde explorei mais a área de restauração. Desde então, trabalho tanto a área de inovação alimentar na restauração como a área clinica. Motivo-me muito por projetos criativos e desafios, por isso, gosto de trabalhar com pessoas e perceber aquilo que as influencia e as cativa. Quer seja num contexto empresarial, num restaurante, numa consulta, num workshop ou através de comentários nos canais de comunicação, a sua opinião acrescenta sempre valor ao meu trabalho.

Livros de cozinha

Em 2014 lancei o meu primeiro livro de receitas, Gourmet em Casa, onde juntei as receitas da minha infância e adolescência. As receitas que faziam para mim e as receitas que fazia para os meus. É um livro guloso, cheio de memórias e que funciona como o bloco de receitas que a avó tem em casa, a única diferença é que está encadernado.

Depois, em 2016 recebi um convite da editora Saída de Emergência para lançar o meu segundo livro, dedicado a receitas com Superalimentos e com uma perspetiva muito mais funcional da alimentação. Podem saber mais sobre este meu trabalho na página “Livro”.

Comunicação

Adoro comunicar, por isso, participo mensalmente no programa Faz Sentido do canal Sic Mulher com uma rúbrica mensal dedicada à alimentação saudável e dou, em média, 5 workshops de cozinha por mês com temas como cozinha vegetariana, saudável ou sem glúten. Escrevo pontualmente para algumas revistas e faço inúmeros vídeos no meu instagram sobre as minhas rotinas e filosofia de vida.

Filosofia e missão

Apesar de muitas pessoas me fazerem esta pergunta eu não sou vegetariana. Tenho uma alimentação maioritariamente vegetal, evito ao máximo os alimentos processados e não sou muito apologista de alimentos com ingredientes que não reconheço (ex: edulcorantes, conservantes químicos, aromatizantes ou corantes). Tenho alergia à proteína do leite de vaca e síndrome do cólon irritável. Não falo muito sobre estas questões mas são consideravelmente limitativas para uma vida que não seja bem controlada na alimentação, stress e descanso.

Sou defensora de que a alimentação é a nossa base, a forma como nos alimentamos representa a forma como nos tratamos a nós mesmos. O nosso corpo é a nossa casa, se não o tratarmos bem, não nos podemos queixar que ele comece a falhar. Como tenho estes problemas digestivos, noto isto em primeira mão. Sempre que como bem e respeito o meu corpo e aquilo que sei que lhe faz bem sinto-me mais bem disposta e com mais energia. Quando descuro a minha alimentação, como menos sopa ou fruta, noto logo menor capacidade de concentração, menos energia, mais preguiça. É um ciclo vicioso.

De uma forma geral uma alimentação saudável é comer 3 a 5 porções de fruta e legumes por dia, praticar uma alimentação maioritariamente vegetal, evitar açúcares e gorduras etc… Para mim, além de tudo isto, uma alimentação saudável tem que ser funcional. Ou seja, deve ainda respeitar os sinais do corpo (Ex: se não me sinto bem quando como muitos alimentos com glúten não devo insistir, é um sinal de que o organismo não consegue metabolizar bem os seus componentes), e deve servir para nos fortalecer e permitir a prevenção de doenças. Os antioxidantes estão por todo lado na nossa alimentação, desde que ela seja equilibrada e tenha uma base vegetal. Por isso é muito fácil a alimentação tornar-se funcional. Se comermos bastantes legumes e fruta e evitarmos gorduras saturadas, açúcares refinados e alimentos processados, conseguimos tirar o máximo partido desses antioxidantes, permitindo que eles reforcem o nosso sistema imunitário em vez de estarem constantemente a combater o stress oxidativo que estes alimentos nocivos lhe provocam. Apesar de não ser fundamentalista nas restrições, acho que devemos manter uma alimentação o mais equilibrada possível para que a possamos considerar saudável e adequada a nós mesmos.

 

6 coisas que, provavelmente, não sabe sobre mim:

Sou uma exploradora

mafalda exploradora

Quando não estou a trabalhar gosto de conhecer ou aprender coisas novas. Adoro passear, viajar, experimentar pratos diferentes em restaurantes, ler ou conhecer um novo spot. Viajo cerca de 3 vezes por ano e adoro o conceito de andar de mochila às costas e ir à aventura.

 

Não consigo estar quieta

Além dos meus treinos de ginásio e corridas, aos quais já devem estar habituados, e que fazem parte da minha rotina 6 vezes por semana, não consigo parar. Sinto-me muito mais realizada quando tenho muitas coisas para fazer ao mesmo tempo e preocupo-se se assim não for. Adoro fazer o balanço de cada semana como imparável.

 

Perco-me por nutella

Nem devia referir isto mas é verdade. É o único alimento ao qual não consigo resistir. Mas juro que só como muito pontualmente.

 

História, história, história

Sou viciada em história e histórias. Adoro pessoas que são contadoras de histórias natas, adoro livros de história e filmes de época, a parte que mais gosto numa viagem é a história do local e todas as tradições que a mesma envolve e adoro pormenores históricos numa casa como móveis restaurados, objetos antigos e fotografias.

 

Tenho uma tara por animais

Desde miúda que sempre me fascinei por animais e ficava a ver os programas da BBC horas esquecidas. Procuro ter sempre animais por perto e as viagens que mais gosto são as que envolvem atividades com animais como a que fiz à Tailândia onde passei um dia inteiro numa reserva de elefantes e pude ir para o rio com um grupo deles. Simplesmente inesquecível.

 

Para relaxar gosto de pintar

Para relaxar gosto de pintar

Adoro desenho, e uma das coisas que mais me relaxa é fazer aguarelas. Não é algo que consiga fazer com muita frequência mas é, certamente, das coisas que mais me acalma.