5 Dicas para melhorar a educação alimentar das crianças

5 Dicas para melhorar a educação alimentar das crianças

Estamos em contagem decrescente para o novo ano, e é nesta altura que começamos por fazer um balanço do que foi o ano de 2018 e do que gostaríamos que fosse o ano de 2019.

Criam-se várias resoluções, nem todas exequíveis! E se uma das resoluções do ano novo fosse descomplicar a temática da alimentação saudável e equilibrada para a família? É de extrema importância que os pais ensinem os filhos a optar, desde cedo, por uma alimentação saudável e a cuidar da sua saúde de forma preventiva para que cresçam com um bom desempenho físico e intelectual.

Que tal começarmos por 5 dicas simples e práticas que podem ser aplicadas para melhorar ou iniciar a educação alimentar dos mais novos lá de casa?

  1. Dar o exemplo.

Mostrar às crianças que uma alimentação equilibrada é o caminho para um estilo de vida saudável nem sempre é fácil, mas se tenta convencê-las a comer sopa e salada todos os dias, dê o exemplo e coma também. Prepare os seus lanches intermédios e incentive-os a preparem os deles no dia anterior.

  1. Ser positivo

Manter um ambiente positivo e alegre relativamente às questões alimentares. Evite proibir determinados alimentos, opte apenas por restringir a frequência e a quantidade do seu consumo e encoraje a opção por escolhas mais saudáveis. Celebre as boas escolhas dos seus filhos, ajudando-os assim, a construir a sua autoconfiança e uma relação saudável com a comida.

  1. Respeitar os gostos das crianças.

Incluir as crianças na preparação das refeições e levá-las às compras (uma verdadeira aventura às vezes!), perguntando-lhes quais as suas frutas preferidas, por exemplo, ou os legumes gostavam que a sopa dessa semana tivesse. Desta forma, poderá ajustar as refeições familiares às preferências deles ao mesmo tempo que promoverá uma alimentação saudável. Desafie-os, de qualquer das formas a ir experimentando novos alimentos, começando com pouco de cada vez ou a introduzir nos seus pratos preferidos.

  1. Não premiar as crianças com alimentos menos equilibrados.

Se queremos que os nossos filhos optem de forma autónoma por alimentos saudáveis, não os vamos premiar com doces ou fast-food. Encontre formas de compensá-los pelo bom comportamento ou aquisição com escolhas que não coloquem em causa a sua saúde, como passeios pelo parque, uma partida de futebol, uma volta de bicicleta…

  1. Ser paciente. Fazer mudanças graduais.

Fomentar um processo de mudança a longo-prazo e lembrar-se de que os gostos e paladares do seu filho irão transformar-se ao longo do tempo. É preciso paciência e persistência para ir experimentando novos alimentos, pois muitas vezes para que uma criança se habitue a um novo sabor é necessário que contacte com o mesmo várias vezes.

A forma como as crianças e jovens se alimentam tem uma influência marcante na sua qualidade de vida no futuro. Desta forma, não podemos descurar o processo de aprendizagem alimentar, mesmo que alguns dias sejam marcados pela teimosia dos mais novos.

Artigo escrito por Marta Magriço, equipa Loveat. Gostava de marcar uma consulta de nutrição para o seu filho com a Marta? Envie um email para magricomarta@gmail.com

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT