As 5 regras para estabelecer objetivos realistas

Entre os últimos dias de Dezembro e primeiros dias de Janeiro, existe um tema que é comum em muitas conversas: as resoluções do Ano Novo. Vamos quase a meio de Janeiro… Já fez as suas? Se não fez, devia fazer. Se já fez, tem cumprido?

Não sei se o que vou dizer também vos acontece, mas estas perguntas causam-me alguma ansiedade. Não porque acho que é inútil, atenção. Acredito que estabelecer objetivos para o novo ano é uma forma de estarmos em constante desenvolvimento e crescimento pessoal, o que acaba por ser muito positivo. Afinal das contas, temos 365 dias, dias esses que podemos utilizar como oportunidades para construirmos a melhor versão da nossa pessoa. O grande problema é que a maior parte das pessoas estabelece objetivos pouco realistas e muitas vezes vagos. Ouvi uma vez uma expressão em Inglês que me fez muito sentido e que se pode aplicar neste caso: “a goal without a plan is just a dream”, e é isto mesmo.

Antes de mais, vamos olhar para trás antes de olhar para a frente. É importante refletir o ano que passou e ponderar o que correu bem e mal. Este exercício permite observar o que é mais importante para nós. Se compararem bem onde estavam há 1 ano e onde estão agora, será mais fácil fazer ajustes e estabelecer novos objetivos para o ano que se segue. Já sabem? Boa. Então, o que querem mesmo mudar este ano? Pensem no que vos chateou este último ano, nas vezes em que pensaram “porque sou assim?” ou “porque faço isto”? Como seres humanos, somos criatura de hábitos e rotina, logo, é normal que não seja uma tarefa muito fácil mudar algo de um dia para o outro. Desafio-vos a ponderar o que gostariam de mudar e melhorar em 2019 e a construir uma resolução realista através do estabelecimento de objetivos.

Então, os objetivos devem ser:

  1. Específicos – Os objetivos devem ser específicos, claros e o mais pormenorizados possível. Por exemplo, um dos objetivos mais comuns é a perda de peso, mas isto não é específico. É importante ponderar quanto peso gostariam de perder e em quanto tempo. Por exemplo, “quero perder 10kg em 4 meses, cerca de 2,5kg por mês”.
  2. Mensuráveis – Devemos estabelecer objetivos mensuráveis e cujo progresso possa ser visivelmente acompanhado. Pode parecer óbvio para um objetivo relacionado com ganho e/ou perda de peso, uma vez que o progresso pode ser medido através do peso em kg ou até mesmo através de fotografias. Mas imaginem que um dos objetivos é beber mais água… Comprometam-se a apontar numa nota no telemóvel sempre que bebem água sabendo que têm um objetivo para cumprir.
  3. Alcançáveis – Os objetivos devem ser alcançáveis e uma forma de saber se o são é perguntarem-se a vocês próprios se o objetivo pode ser alcançado com algum esforço e dedicação. Se a resposta for sim, então é um objetivo alcançável. Isto não significa que os objetivos não possam ser “grandes”. Contudo, é mais benéfico estabelecer pequenos objetivos para posteriormente alcançar algo maior do que estabelecer essa grandeza de objetivo à primeira, acabando por se ficar frustrado e haver maior probabilidade de se desistir.
  4. Relevantes– Os objetivos devem ser relacionados com temas muito importantes para vocês e devem ter razões específicas para os querer atingir. Por outro lado, não devem ser estabelecidos com base em remorsos ou paixões espontâneas. Se houve um processo onde ao longo do tempo um determinado tema foi ficando mais importante para vocês e lhe foram dando mais importância, sabendo que a vossa vida vai ficar melhor caso atinjam o que está em questão, então é claramente um objetivo relevante e será mais fácil de quererem trabalhar para atingir o mesmo.
  5. Sensíveis ao tempo – O tempo que se estabelece para atingir o objetivo também deve ser realista. Devem dar algum tempo para cumprir objetivos pequenos que contribuem para o alcance do objetivo maior. Deem valor às pequenas conquistas pois os pequenos passos contribuem para um progresso gradual. Por exemplo, quando se quer alterar um hábito, está a fazer-se um plano para a próxima década e não as próximas semanas. Logo, não se deve querer passar de imediato do 8 para 80, mas sim do 8 para o 9, do 9 para o 10, etc.

Espero que estabeleçam objetivos positivos que acrescentem qualidade à vossa vida. Nunca é tarde para o fazer, seja dia 1 de Janeiro, 10 de Março ou 25 de Novembro. Devemos ir atrás do que nos faz bem e não existe um dia ou uma hora correta nem adequada. É querer e trabalhar para o ter. Simples!

Fiquem atentos porque daqui a uns dias venho oferecer estratégias para atingir os objetivos que estabeleceram.

Artigo escrito por Leonor Tavares Costa. Acompanhe o trabalho da Leonor aqui.

0 Comentários

Deixar Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.