18 estratégias para recuperar a sua motivação para emagrecer

18 estratégias para recuperar a sua motivação para emagrecer

Não somos máquinas. Somos pessoas que têm muito em que pensar no seu dia-a-dia: trabalho, família, amigos… tudo isto desperta emoções que podem dificultar o processo de perda de peso. Por esta razão, a nossa motivação oscila durante o processo e torna-se fundamental saber lidar com as frustrações e manter o foco. Existem algumas estratégias que nos ajudam nos momentos em que não nos sentimos tão motivados: 

  1. Aceitar e respeitar o corpo : O primeiro passo de qualquer processo de perda de peso é a consciencialização de que cada indivíduo é diferente e tem as suas particularidades. Aceitar o corpo é fundamental para conseguir um emagrecimento saudável. 
  2. Relembrar os motivos pelos quais quer emagrecer : Esta é a sua maior motivação. Quer seja ganhar mais energia e vitalidade, cuidar da sua saúde, poder voltar a usar as roupas que mais gosta ou sentir-se mais confiante, não há dúvida de que a perda de peso traz inúmeros benefícios. 
  3. Consultar o seu nutricionista : O tipo de regime alimentar escolhido poderá determinar o sucesso ou insucesso no processo de perda de peso. Quanto mais variado e próximo for dos seus gostos pessoais, estilo de vida e hábitos, mais fácil será segui-lo a longo prazo. Nas consultas de nutrição é definido, em conjunto consigo, um plano alimentar adequado a si e à sua rotina diária, que sempre que necessário será ajustado, de maneira a auxilia-lo a atingir os seus objetivos, a manter-se empenhado na dieta e a fazer as melhores escolhas alimentares. 
  4. Encarar a dieta como uma reeducação alimentar : Isto é, como pequenas alterações alimentares e comportamentais diárias que deverão ser mantidas para sempre e que trazem verdadeiros resultados. Não significa que não possa comer um doce de vez em quando, significa é que quando o consumir o fará de forma consciente e moderada. 
  5. Criar objetivos realistas : A perda de peso é um processo moroso e individual, pelo que esperar uma perda de 10 kg num mês muito provavelmente lhe trará resultados desanimadores. Estabeleça pequenas metas e prepare-se para lidar com os contratempos que fazem parte de qualquer percurso. 
  6. Escrever um diário alimentar : Ao descrever as refeições que ingere ao longo do dia será capaz de identificar de forma realista os desvios à dieta e respetiva frequência, possibilitando-o de criar formas de evitá-los posteriormente. É também importante para, em conjunto com o seu nutricionista, poder descobrir os alimentos que podem estar a atrapalhar a sua dieta sem que se aperceba. 
  7. Pesar os alimentos: É uma ferramenta muito eficaz para ganhar a consciência daquilo que efetivamente é a sua ingestão alimentar. 50 g de frutos oleaginosos terá um valor calórico francamente superior a um punhado de 25 g. Contudo, não é necessário pesar sempre todos os alimentos, basta pesá-los algumas vezes para ganhar prática e não fugir muito às quantidades que deveria ingerir de cada um.  

8. Planear as refeições: Torna-se muito mais simples realizar refeições saudáveis quando já as tem preparadas e organizadas para a semana. Adicionalmente, se possível, prepare marmitas para levar para o trabalho para evitar ceder às tentações de opções menos saudáveis em restaurantes e cafés. 

9. Manter-se fiel à lista de compras e não fazer compras com fome : Defina uma lista de compras e não compre alimentos que não façam parte da dieta. Uma vez em casa, será muito mais difícil resistir-lhes! Para além disso, fazer compras com fome poderá interferir nas suas escolhas, influenciando-o a comprar snacks e alimentos mais calóricos. 

10. Focar-se no que pode comer e não naquilo que não deve comer: Existem inúmeros alimentos saborosos que podem fazer parte de uma alimentação equilibrada, pelo que não existe motivo para pensar só naqueles que não deve consumir. A diversidade é enorme e sempre poderá descobrir novas texturas e sabores. 

11. Procurar o apoio da sua família: Ao criar junto da sua família o compromisso de que irá perder peso, sentir-se-á mais motivado a perseguir esse objetivo. Para além disso, a adaptação de algumas receitas em casa poderá ser também uma excelente técnica para reduzir as calorias ingeridas. 

12. Encontrar um amigo que também queira emagrecer: Ter alguém que partilhe de objetivos semelhantes e com quem possa partilhar as dificuldades que surgem durante o processo de perda de peso irá certamente ajudá-lo a superar as frustrações e manter-se focado.

13. Fazer uma refeição livre na semana: Esta técnica poderá ajudá-lo a reduzir a ansiedade e evitar compulsões alimentares, visto que lhe permite fazer uma refeição com os alimentos que mais vontade tem de comer, sem haver uma grande restrição.

14. Procurar distinguir fome de gula : Muito provavelmente quando tiver vontade de devorar a tal tablete de chocolate no final da refeição não será por ainda ter fome, mas sim por gula, visto que não terá a mesma vontade de comer um prato de sopa ou uma peça de fruta. 

15. Valorizar cada conquista: 1 kg… 5 kg…, o importante é que está a progredir, por isso lembre-se que uma perda de peso saudável é um processo moroso, mas cujos inúmeros benefícios compensam. 

16. Não encarar a dieta como “8 ou 80”: Se comer mais do que tinha estipulado, não encare como se estivesse tudo perdido. Não é uma refeição livre que a vai fazer aumentar 5 kg, portanto não restrinja demasiado a sua alimentação, simplesmente tenha em consideração que a sua base deverá ser saudável e que os alimentos menos saudáveis são para ser consumidos com moderação e consciência. 

17. Encontrar uma atividade física de que goste: Não só auxilia no emagrecimento, como traz energia, boa disposição, melhora a autoestima e confere a sensação de dever cumprido. Experimente aulas de grupo, poderá sentir-se mais motivado. 

18. Não se esquecer de descansar: O stress, a ansiedade e dormir pouco dificultam a escolha de opções alimentares saudáveis. Procure dormir 8 horas por dia e fazer atividades de relaxamento como yoga, pilates ou body balance. 

Artigo escrito por Mariana Fernandes, Nutricionista.

Referências: 

Burgess, E., Hassmén, P., & Pumpa, K. L. (2017). Determinants of adherence to lifestyle intervention in adults with obesity: a systematic review. Clinical obesity, 7(3), 123–135. 

Munt, A. E., Partridge, S. R., & Allman-Farinelli, M. (2017). The barriers and enablers of healthy eating among young adults: a missing piece of the obesity puzzle: A scoping review. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity, 18(1), 1–17. 

Shepherd, J., Harden, A., Rees, R., Brunton, G., Garcia, J., Oliver, S., & Oakley, A. (2006). Young people and healthy eating: a systematic review of research on barriers and facilitators. Health education research, 21(2), 239–257. 

Teixeira, P. J., Carraça, E. V., Marques, M. M., Rutter, H., Oppert, J. M., De Bourdeaudhuij, I., Lakerveld, J., & Brug, J. (2015). Successful behavior change in obesity interventions in adults: a systematic review of self-regulation mediators. BMC medicine, 13, 84. 

Kelly, N. R., Mazzeo, S. E., & Bean, M. K. (2013). Systematic review of dietary interventions with college students: directions for future research and practice. Journal of nutrition education and behavior, 45(4), 304–313. 

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT