Guest Post: Dicas para uma alimentação sustentável

alimentação sustentável

Guest Post: Dicas para uma alimentação sustentável

Como ter uma alimentação sustentável? Desde o momento em que pensamos que tipo de alimentação queremos ter até ao momento em que confecionamos as nossas refeições, existem vários passos que poderão tornar todo este ciclo muito mais sustentável. Não acredita?

1. Hábitos Alimentares

Existem vários fatores que influenciam os nossos hábitos alimentares, como por exemplo os horários de trabalho estilo de vida, a escolha pessoal de que tipo de alimentação queremos ter (omnívora, vegetariana, vegan, entre muitas outras), a opção de comprar produtos biológicos ou convencionais e ainda a de optar por alimentos locais ou produtos que já fizeram milhares de quilómetros até chegarem até nós.

Mesmo que tenha hábitos alimentares saudáveis, podem não ser sustentáveis, portanto as questões que se colocam são: como e onde é que os alimentos que ingere foram produzidos? São alimentos altamente processados ou naturais? Como é que estes produtos são embalados?

Todas estas questões têm muitas possibilidades de resposta, umas mais próximas da sustentabilidade e outras mais afastadas. A opção mais sustentável seria sempre produzirmos os nossos próprios alimentos, mas tendo em conta que isso não é possível na grande maioria dos casos deixamos aqui umas dicas.

Como e onde é que os alimentos são produzidos?

Devemos sempre dar preferência a alimentos produzidos de forma biológica, ou seja, que recorrem apenas a produtos naturais, excluindo produtos sintéticos como antibióticos, hormonas reguladoras de crescimento e alimentos geneticamente modificados.

Relativamente ao seu local de produção, quanto mais próximo da nossa localidade melhor! Ao comprarmos produtos locais estamos não só a ajudar as pequenas e microempresas como também a diminuir o tempo de transporte, diminuindo consequentemente a pegada ecológica daquele produto!

Alimentos processados e alimentos naturais: qual a diferença?

Os alimentosnaturais apresentam-se tal e qual como são produzidos, não sofrendo qualquer tipo de tratamento ou processamento. Regra geral, quanto menos processado for um alimento maior é o seu valor nutricional e menor é a probabilidade de ter substâncias nocivas para a saúde.

Então porque é que compramos tantos alimentos processados e ultraprocessados?

A verdade é que compramos a maior parte destes produtos porque além de terem um sabor muitocativante, muitas vezes têm apresentações que se tornam muito práticas no nosso dia-a-dia. Exemplo disto são as bolachas embalada, os sumos empacotados, o pão, a manteiga, entre muitos outros. São alimentos que fazem parte do nosso quotidiano e que facilitam muito a nossa vida. No entanto, é importante frisar que são alimentos que normalmente têm uma grande quantidade de açúcar e de sódio, que podem levar a problemas de saúde como diabetes e hipertensão.

Como é que estes produtos são embalados?

Por último, devemos sempre pensar sobre o modo de embalamento dos nossos alimentos. Devemos evitar embalagens desnecessárias (quer sejam de plástico ou cartão) e sempre que possível preferir alimentos que sejam vendidos avulso, levando o nosso próprio saco de rede ou frasco reutilizáveis para transportar e armazenar estes alimentos. Desta forma ajudamos a diminuir consideravelmente os resíduos que resultam do comércio alimentar.

Não se esqueça que há muitos materiais que acabam por não ser reciclados e que a melhor forma de ajudar o ambiente é reduzir ao máximo os plásticos que compramos!

alimentação sustentável

2. Compras alimentares

Quando tem inevitavelmente de ir às compras costuma levar uma lista com os alimentos que necessita? É uma ótima forma de não divagarmos pelos corredores correndo o risco de colocar no carrinho mais produtos do que é suposto! Para evitar o excesso de compras, devemos também evitar ir com fome, pois parece que de repente nos apetece comer o mundo – do mais saudável ao menos recomendável!

Para além disso, quando compramos fruta e vegetais devemos sempre connosco sacos próprios para colocá-los. Essa ação demora meia dúzia de vezes a tornar-se um hábito e reduz substancialmente a utilização de plástico e o número de sacos em casa, portanto estamos um passo mais perto de uma vida com desperdício zero! Por último, devemos tentar sempre escolher alimentos da época, locais e de comércio justo.

3. Armazenamento dos alimentos

Quando finalmente chegamos a casa e arrumamos os alimentos que compramos, devemos atentar sempre a temperatura a que estes devem ser mantidos. Quando abrimos uma embalagem, devemos fechá-la com uma mola, mas não nos devemos esquecer que quando compramos cereais, massa, grão de bico, feijão, frutos secos, entre outros produtos que normalmente se encontram embalados, temos a possibilidade de comprá-los em lojas que vendem todos esses produtos avulso. Podemos assim manter os artigos em frascos ou até em embalagens de silicone como, por exemplo, Stasher Bags, sem que sequem ou se estraguem. O Stasher Bag não contém plástico e é perfeito para guardar snacks para levar connosco a qualquer hora. É muito prático, podendo também ser colocado no frigorífico, congelador e micro-ondas! Por fim, basta colocá-lo na máquina de lavar e está pronto para ser novamente utilizado! 

alimentação sustentável

4. Confeção dos alimentos

Para uma maior sustentabilidade(e poupança na conta da eletricidade), devemos limitar a utilização do forno para confecionar alimentos, e favorecer a utilização de panelas de pressão, podendo até reutilizar a água das cozeduras para outros pratos ou para regar as plantas!

Se utilizarmos apenas metade de algum legume ou fruta, devemos isolar a parte cortada para que não oxide, seque ou apodreça e vá diretamente para o lixo. Uma opção sustentável para não desperdiçar esses alimentos é a utilização de Food Huggers, pequenas tampas de silicone próprias para conservar essa porção do produto. São super práticas e basta colocar na máquina de lavar após a sua utilização!

alimentação sustentável

5. Hora de comer!

Por fim, quando fazemos uma refeição, podemos sempre evitar a utilização de guardanapos de papel substituindo-os por guardanapos de pano. Se normalmente utilizamos palhinha para beber sumo, podemos sempre favorecer as palhinhas de metal ou palhinhas de bambu.

Reparou? Em cinco passos muitos comportamentos podem ser alterados e produtos substituídos. Pequenas mudanças fazem toda a diferença! Experimente. O nosso planeta agradece!

Artigo escrito por Cláudia Simões, Sustainable Tree

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT