Quizz Vitamina D

Quizz Vitamina D

É notável a crescente atenção que a vitamina D tem tido nos últimos tempos na nossa população. Por essa razão, hoje dedicamos o quizz à vitamina D.

  1. Para absorvermos vitamina D é necessário a ingestão de gordura?
    1. Sim
    1. Não

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, ou seja, necessita da presença de gordura para que seja absorvida no nosso organismo.1

  • A vitamina D é importante para o nosso sistema imunitário?
    • Sim
    • Não

A vitamina D é importante para o nosso organismo pois regula o nosso sistema imunitário, o crescimento celular e neuromuscular.

  • A vitamina D reduz a inflamação no nosso organismo?
    • Sim
    • Não

Além de regular o nosso sistema imunitário, a vitamina D também é importante na redução da inflamação.1

  • A vitamina D promove a absorção a nível intestinal de:
    • Ómega-3
    • Cálcio

Uma outra função da vitamina D no nosso organismo é a promoção da absorção de cálcio e fosfato, permitindo a manutenção da saúde óssea e impedindo que os nossos ossos fiquem frágeis. Devido a isto a vitamina D é importante para a prevenção de osteoporose, osteomalacia em idosos e adultos e para a promoção do crescimento ósseo nas crianças.1

  • Adequados níveis de vitamina D previnem o aparecimento de Alzheimer:
    • Sim
    • Não

Além de prevenir a osteoporose, vários autores sugerem que em quantidades adequadas a vitamina D promove a prevenção do aparecimento de Doença de Alzheimer, assim como Diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e hipertensão, esclerose múltipla e outras doenças neurodegenerativas, por exemplo Parkinson, autoimunes e infeciosas.1–4

  • Níveis reduzidos de vitamina D podem relacionar-se com o aparecimento de depressão?
    • Sim
    • Não

Vários têm relacionado o aparecimento de depressões e os níveis reduzidos de vitamina D, porém ainda há necessidade de mais estudos para que comprovem com forte evidência esta relação. A influência da vitamina D na redução do risco de aparecimento de depressões pode dever-se ao facto desta proteger as células contra o stress oxidativo, regular as neurotrofinas, modular o DNA e ter um papel anti-inflamatório.5,6

Além da população geral a vitamina D tem também um papel importante na prevenção da depressão pós-parto.7

  • Podemos obter Vitamina D através de:
    • 2 formas
    • 3 formas

A vitamina D é adquirida através de 3 formas. Esta está presente de forma natural em alguns alimentos, mas também a podemos adquirir através da sua suplementação e da exposição solar.1

  • Na alimentação podemos ingerir vitamina D através de:
  • Brócolos
  • Cavala

Embora que sejam poucos os alimentos ricos em vitamina D, podemos obtê-la através do consumo de peixes gordos como a cavala, sardinha, salmão, atum, safio (e do óleo de peixe), e também pelo consumo de ovos, queijo. Fígado e cogumelos embora que em quantidades mais reduzidas. Outras fontes de vitamina D são as bebidas vegetais, os leites e os cereais de pequeno-almoço fortificados.1,8

  • Conseguimos sintetizar Vitamina D?
  • Sim
  • Não

O nosso corpo tem a capacidade de sintetizar vitamina D através da radiação da luz solar (raios UV) sobre a nossa pele.9

  1. Que fator pode interferir na absorção de vitamina D através da exposição solar?
  2. Protetor solar
  3. Comer maçã

A exposição solar é a forma pela qual podemos obter mais vitamina D. Contudo, vários autores referem que o facto de utilizarmos protetor solar, este pode diminuir a absorção e síntese de vitamina D.1,9Porém, mesmo com proteção há a produção de alguma quantidade de vitamina D. 1,9  Outros fatores como a pigmentação da pele, a estação do ano, a nebulosidade do dia ou a região onde habitamos (devido à latitude), podem interferir na absorção e síntese de vitamina D.1

  1. Qual é o tempo mínimo que devemos ficar expostos à luz solar para promover a síntese de vitamina D?
  2. 5 a 30 minutos
  3. 45 min a 1 hora

Autores sugerem que para que ocorra a síntese de vitamina D é necessária uma e exposição de 5 a 30minutos, pelo menos 2 vezes por semana.1

  1.  A exposição ao sol deve ser feita com a cara, os braços, as costas e as pernas tapadas?
    1. Sim
    1. Não

Recomenda-se que a exposição seja feita com as principais superfícies corporais, ou seja, a cara, as pernas, as costas e os braços descobertos. 1

  1.  A absorção de vitamina D é igual se for feita através de uma janela de vidro?
    1. Sim
    1. Não

Uma vez que a radiação UV não penetra o vidro, recomenda-se que a exposição seja feita sem esta barreira física.1

  1. Todas as pessoas devem fazer suplementação com vitamina D?
  2. Sim
  3. Não

De acordo com a legislação Portuguesa a suplementação de vitamina D, deve ser feita em indivíduos: 10

 -idosos internados ou com mobilidade reduzida

– com osteoporose

– com défices de vitamina D por exposição solar reduzida

– com patologias como a de má absorção intestinal ou insuficiência renal crónica

– com défices diagnosticados análises clínicas

Há ainda outros indivíduos que podem beneficiar de suplementação com vitamina D, entre os quais:

– pessoas que se submeteram a cirurgia bariátrica 11

– pessoas com intolerância à lactose, com alergia ao leite ou com uma alimentação vegan, por serem populações com risco de défice1

Uma vez que a vitamina D é conseguida sobretudo através da exposição solar, com a chegada do inverno essa exposição é menor. Há estudos na população do norte de Portugal que demonstram que há uma maior deficiência de Vitamina D no inverno.12,13Assim, no inverno torna-se relevante a suplementação com vitamina D. Leia mais sobre isto aqui.

  1. Os suplementos comercializados de vitamina D têm todos a mesma forma de vitamina D?
  2. Sim
  3. Não

Os suplementos de vitamina D podem ser constituídos pela forma D2, de origem vegetal, ou D3, de origem animal. Numa revisão verificou-se que há conclusões díspares sobre qual das formas é melhor absorvida, mas ambas aumentam os níveis séricos de 25(OH)D. Contudo, a suplementação com vitamina D2 pode não ser tão eficiente a longo prazo.1,14,15

  1.  A dose adequada de vitamina D é igual para todas as idades?
  2. Sim
  3. Não

Para bebés até aos 12 meses é recomendada a obtenção diária de 10 microgramas (400 IU), para as pessoas com idade entre 1 ano e 70 anos de idade 15 microgramas (600 IU) e para os idosos com mais de 70 anos 30 microgramas (800 IU).1

  1. A vitamina D interfere na saúde intestinal?
  2. Sim
  3. Não

A vitamina D tem a capacidade de se ligar às células intestinais, modulando a sua função e interferindo no equilíbrio (homeostase) intestinal.16Adicionalmente, sabe-se que a vitamina D tem a capacidade de diminuir ou aumentar certas espécies de bactérias no nosso intestino.17

  1.  O que é que a vitamina D faz às moléculas antimicrobianas no intestino?
  2. Aumenta
  3. Diminui

A vitamina D tem a capacidade de aumentar os péptidos antimicrobianos, protegendo o intestino contra as bactérias patogénicas. Além de aumentar o péptidos, também aumenta as junções das células intestinais não permitindo que as bactérias patogénicas as atravessem, impedindo possíveis inflamações.16

Artigo escrito por Rafaela Teixeira(2912NE), equipa Loveat.

Referências bibliográficas:

1.       Vitamin D – Health Professional Fact Sheet [Internet]. [citado 20 de Abril de 2020]. Disponível em: https://ods.od.nih.gov/factsheets/VitaminD-HealthProfessional/?print=1#en75

2.       Kalra A, Teixeira AL, Diniz BS. Association of Vitamin D Levels with Incident All-Cause Dementia in Longitudinal Observational Studies: A Systematic Review and Meta-analysis. J Prev Alzheimer’s Dis. 2020;7(1):14–20. 

3.       Chai B, Gao F, Wu R, Dong T, Gu C, Lin Q, et al. Vitamin d deficiency as a risk factor for dementia and alzheimer’s disease: An updated meta-analysis. BMC Neurol. 13 de Novembro de 2019;19(1). 

4.       Zhou Z, Zhou R, Zhang Z, Li K. The association between Vitamin D status, Vitamin D supplementation, sunlight exposure, and parkinson’s disease: A systematic review and meta-analysis. Vol. 25, Medical Science Monitor. International Scientific Information, Inc.; 2019. p. 666–74. 

5.       Esnafoglu E, Ozturan DD. The relationship of severity of depression with homocysteine, folate, vitamin B12, and vitamin D levels in children and adolescents. Child Adolesc Ment Health [Internet]. 18 de Abril de 2020 [citado 20 de Abril de 2020];camh.12387. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/camh.12387

6.       Menon V, Kar S, Suthar N, Nebhinani N. Vitamin D and depression: A critical appraisal of the evidence and future directions. Vol. 42, Indian Journal of Psychological Medicine. Wolters Kluwer Medknow Publications; 2020. p. 11–21. 

7.       Wang J, Liu N, Sun W, Chen D, Zhao J, Zhang W. Association between vitamin D deficiency and antepartum and postpartum depression: a systematic review and meta-analysis of longitudinal studies. Vol. 298, Archives of Gynecology and Obstetrics. Springer Verlag; 2018. p. 1045–59. 

8.       Vitamina D • PNPAS [Internet]. [citado 20 de Abril de 2020]. Disponível em: https://alimentacaosaudavel.dgs.pt/nutriente/vitamina-d/

9.       Neale RE, Khan SR, Lucas RM, Waterhouse M, Whiteman DC, Olsen CM. The effect of sunscreen on vitamin D: a review. Vol. 181, British Journal of Dermatology. Blackwell Publishing Ltd; 2019. p. 907–15. 

10.     Afonso AD. Direção-Geral da Saúde. Prevenção e Tratamento da Deficiência de Vitamina D – Norma no004/2019 [Internet]. 2019 [citado 20 de Abril de 2020]. Disponível em: www.dgs.pt

11.     Afonso AD. DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Boas práticas na abordagem do doente com obesidade elegível para cirurgia bariátrica – Orientação no028/2012 [Internet]. 2012. Disponível em: www.dgs.pt

12.     Cabral M, Araújo J, Lopes C, Barros H, Guimarães JT, Severo M, et al. Relationship between dietary Vitamin D and serum 25-hydroxyVitamin D levels in Portuguese adolescents. Public Health Nutr. 1 de Fevereiro de 2018;21(2):325–32. 

13.     Bettencourt A, Boleixa D, Reis J, Oliveira JC, Mendonça D, Costa PP, et al. Serum 25-hydroxyvitamin D levels in a healthy population from the North of Portugal. J Steroid Biochem Mol Biol. 1 de Janeiro de 2018;175:97–101.

14.     Borel P, Caillaud D, Cano NJ. Critical Reviews in Food Science and Nutrition Vitamin D Bioavailability: State of the Art. Crit Rev Food Sci Nutr [Internet]. 2013 [citado 19 de Abril de 2020];55(9):1193–205. Disponível em: http://www.tandfonline.com/action/journalInformation?journalCode=bfsn20

15.     Armas LAG, Hollis BW, Heaney RP. Vitamin D2 is much less effective than vitamin D3 in humans. J Clin Endocrinol Metab. Novembro de 2004;89(11):5387–91. 

16.     Fakhoury HMA, Kvietys PR, AlKattan W, Anouti F Al, Elahi MA, Karras SN, et al. Vitamin D and intestinal homeostasis: Barrier, microbiota, and immune modulation. Vol. 200, Journal of Steroid Biochemistry and Molecular Biology. Elsevier Ltd; 2020. 

17.     Yamamoto EA, Jørgensen TN. Relationships Between Vitamin D, Gut Microbiome, and Systemic Autoimmunity. Vol. 10, Frontiers in Immunology. Frontiers Media S.A.; 2020. 

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT