Como prevenir e atenuar os sintomas de candidiase?

Como prevenir e atenuar os sintomas de candidiase?

A presença de bactérias e leveduras no nosso intestino é de extrema importância, uma vez que estas vão auxiliar na digestão, são capazes de produzir vitaminas das quais necessitamos, decompor fármacos e toxinas e ainda mediar o sistema imunitário.

Ao conjunto de microrganismos que coexistem no nosso intestino podemos dar o nome de microbiota. A grande maioria destes microrganismos que lá habitam não são patogénicos (sendo alguns até benéficos). Porém, quando há uma desregulação do seu ambiente podem proliferar e ter efeitos nocivos para a nossa saúde. Estas desregulações são designadas por disbioses.

Por disbiose entende-se, um desequilíbrio da comunidade microbiana presente no intestino, que pode levar a vários distúrbios como obesidade, diabetes, doenças hepáticas, certos tipos de cancro ou até mesmo distúrbios do foro psicológico como ansiedade e depressão.

Tal como o microbiota consegue modular a nossa saúde, nós também conseguimos modular o nosso microbiota, principalmente ingerindo alimentos que promovem o crescimento de microrganismos benéficos para a saúde.

Existem também leveduras, como a Candida albicansque habitam o trato gastrointestinal da maioria dos adultos saudáveis, podendo ser detetada em cerca de 40-65% da flora normal das fezes. Esta levedura é comum e inofensiva num hospedeiro saudável, e reside normalmente na pele e nos intestinos. A partir destas zonas pode propagar-se para os órgãos genitais e dar origem à conhecida candidíase genital.

A candidíase é uma infeção causada por um fungo do género Candida. Existem diversas espécies deste fungo, mas a mais presente é a Candida Albicans. Considera-se um fungo oportunista porque não causa patologia num indivíduo saudável, mas pode causar problemas de saúde quando o sistema imunitário do indivíduo se encontra mais fragilidade.

 Uma vez que esta levedura reside no trato gastrointestinal em conjunto com centenas de outros microrganismos, é possível afirmar que a flora intestinal influencia diretamente a proliferação desta levedura como comensal ou patogénica. Ou seja, a flora intestinal vai influenciar diretamente a forma como este fungo poderá ter uma ação benéfica ou patogénica no nosso organismo.

A candidíase tem-se tornado muito frequente, sobretudo devido ao uso cada vez maior de antibióticos, contracetivos orais e outros medicamentos que modificam as condições da vagina favorecendo o crescimento do fungo. 

Da mesma forma, a alimentação e a dieta também modelam a composição da microbiota intestinal. As modificações da microbiota ou disbiose do trato gastrointestinal podem estar associadas a inúmeros fatores. Por isso, devem ser tomados cuidados na manutenção de um intestino saudável e da sua microbiota para uma vida saudável do hospedeiro. 

Passando da teoria à prática:

No que diz respeito aos alimentos, existem alguns que são de evitar, uma vez que irão provocar um desequilíbrio da flora intestinal, tais como: 

Açúcar sob todas as formas seja açúcar branco, de coco, xarope de ácer ou mel, e todos os alimentos que contenham açúcar na lista de ingredientes;

Leite (devido à lactose);

Fruta (devido à frutose) exceto frutos vermelhos e abacate que têm níveis muito baixos de frutose;

Refrigerantes;

Bebidas alcoólicas; 

Farinhas brancas presentes em alimentos como pão, massa, couscous, bolachas, bolos de pastelaria etc

Alimentos a reforçar:

  • Todos os alimentos verdes, sobretudo folhas como espinafres, nabiças, grelos, couves etc…
  • Todos os alimentos de cores vermelha/roxa/azul como romã, frutos vermelhos, morangos, cebola roxa, couve roxa, mirtilos, etc…
  • Chá branco, 
  • Frutos secos e sementes ricos em ácidos gordos ómega 3 (Ex: sementes de linhaça, sementes de sésamo, nozes, amêndoas etc…);
  • Alho;
  • Curcuma;
  • Oregãos

Para promover uma melhor saúde do intestino será interessante o consumo habitual de probióticos. Numa situação de crise de candidíase, é a aconselhada a suplementação de probióticos, mas estes também devem ser reforçados naturalmente na alimentação, como forma de prevenção. Podem ser encontrados em diversas fontes alimentares, desde as mais em conta como os iogurtes naturais até às mais interessantes como o kombucha ou o kefir e que são nada mais, nada menos que alimentos fermentados. 

Artigo escrito por Patricia Oliveira.

Bibliografia utilizada:

1.        Microbiology Society. Candida: living with a killer fungus | Microbiology Society [Internet]. 2016 [citado 4 de Dezembro de 2019]. Disponível em: https://microbiologysociety.org/publication/past-issues/fungal-diseases/article/i-candida-i-living-with-a-killer-fungus.html

2.        Harvard Health. Candidiasis – Harvard Health [Internet]. 2019 [citado 4 de Dezembro de 2019]. Disponível em: https://www.health.harvard.edu/a_to_z/candidiasis-a-to-z

3.        CDC. Vaginal Candidiasis | Fungal Diseases | CDC [Internet]. [citado 4 de Dezembro de 2019]. Disponível em: https://www.cdc.gov/fungal/diseases/candidiasis/genital/

4.        CDC. Candida infections of the mouth, throat, and esophagus | Fungal Diseases | CDC [Internet]. [citado 4 de Dezembro de 2019]. Disponível em: https://www.cdc.gov/fungal/diseases/candidiasis/thrush/index.html

5.        Otašević S, Momčilović S, Petrović M, Radulović O, Stojanović NM, Arsić-Arsenijević V. The dietary modification and treatment of intestinal Candida overgrowth – a pilot study. J Mycol Med. 1 de Dezembro de 2018;28(4):623–7. 

6.        Felix TC, de Brito Röder DVD, dos Santos Pedroso R. Alternative and complementary therapies for vulvovaginal candidiasis. Vol. 64, Folia Microbiologica. Springer Netherlands; 2019. p. 133–41. 

7.        Latti P, Ramanarayanan S, Prashant GM. Antifungal efficacy of spice extracts against Candida albicans: An in vitro study. Indian J Community Med. 1 de Setembro de 2019;44(5):S77–80. 

8.        Praditya D, Kirchhoff L, Brüning J, Rachmawati H, Steinmann J, Steinmann E. Anti-infective properties of the golden spice curcumin. Vol. 10, Frontiers in Microbiology. Frontiers Media S.A.; 2019. 

9.        de Castro RD, Mota ACLG, de Oliveira Lima E, Batista AUD, de Araújo Oliveira J, Cavalcanti AL. Use of alcohol vinegar in the inhibition of Candida spp. and its effect on the physical properties of acrylic resins. BMC Oral Health. 12 de Dezembro de 2015;15(1). 

10.      Ahmad N, Alam MK, Shehbaz A, Khan A, Mannan A, Hakim SR, et al. Antimicrobial activity of clove oil and its potential in the treatment of vaginal candidiasis. J Drug Target. 2005;13(10):555–61. 

11.      Pinto E, Vale-Silva L, Cavaleiro C, Salgueiro L. Antifungal activity of the clove essential oil from Syzygium aromaticum on Candida, Aspergillus and dermatophyte species. J Med Microbiol. Novembro de 2009;58(11):1454–62. 

12.      Assaf AM, Amro BI, Mashallah S, Haddadin RN. Antimicrobial and anti-inflammatory potential therapy for opportunistic microorganisms. J Infect Dev Ctries. 1 de Maio de 2016;10(5):494–505. 

13.      Seleem D, Chen E, Benso B, Pardi V, Murata RM. In vitro evaluation of antifungal activity of monolaurin against Candida albicans biofilms. PeerJ. 2016;2016(6). 

14.      Jadhav A, Mortale S, Halbandge S, Jangid P, Patil R, Gade W, et al. The Dietary Food Components Capric Acid and Caprylic Acid Inhibit Virulence Factors in Candida albicans Through Multitargeting. J Med Food. 1 de Novembro de 2017;20(11):1083–90. 

15.      Seleem D, Pardi V, Murata RM. Review of flavonoids: A diverse group of natural compounds with anti-Candida albicans activity in vitro. Vol. 76, Archives of Oral Biology. Elsevier Ltd; 2017. p. 76–83. 

16.      Ribeiro C, Rossoni RD, Junqueira JC, Ruano L, Fugisaki O, Vieira MP, et al. Action mechanisms of probiotics on. :0–3. 

17.      Sociedade Portuguesa de Ginecologia. Revisão dos Consensos em Infecções Vulvovaginais [Internet]. 2012 [citado 4 de Dezembro de 2019]. Disponível em: www.jasfarma.com

18. Pérez, J. C. (2019). Candida albicans dwelling in the mammalian gut. Current Opinion in Microbiology, 52, 41–46.

19. Mokkala, K., Houttu, N., Cansev, T., & Laitinen, K. (2019). Interactions of dietary fat with the gut microbiota: evaluation of mechanisms and metabolic consequences. Clinical Nutrition. 

20. Jiang, Z., Jacob, J. A., Li, J., Wu, X., Wei, G., Vimalanathan, A., … Chen, B. (2018). Influence of diet and dietary nanoparticles on gut dysbiosis. Microbial Pathogenesis, 118, 61–65.

21. Gouba, N., Hien, Y. E., Guissou, M. L., Fonkou, M. D. M., Traoré, Y., & Tarnagda, Z. (2019). Digestive tract mycobiota and microbiota and the effects on the immune system. Human Microbiome Journal, 12, 100056.

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.