S01EP18 – Equilíbrio intestinal

S01EP18 – Equilíbrio intestinal

Neste episódio falo-vos sobre o intestino e pretendo desmistificar e normalizar os problemas intestinais. A saúde intestinal tem sido cada vez mais estudada devido ao seu grande impacto no humor, depressão, gestão de peso, metabolismo dos alimentos e, existe também a sua grande relação com a saúde digestiva, começando problemas na parte superior do intestino (infeções bacterianas, refluxo, azia, enfartamento) porque a digestão não está a ser bem feita. Estes problemas acontecem com muita frequência, principalmente durante períodos de stress ou toma de antibióticos. A alimentação tem também um grande impacto, sobretudo porque a nossa microbiota se alimenta do que lhe damos. Se lhe dermos açúcares, estaremos a matar as bactérias boas e a dar espaço para as invasoras/patogénicas se desenvolverem, se lhe dermos fibras, estaremos a alimentar as bactérias boas. Um desequilíbrio no intestino, desprotege a 1ª barreira de defesa que separa o intestino do sistema imunitário e o coloca em risco, levando a uma maior probabilidade de reações adversas (hipersensibilidade ao glúten ou alergias alimentares temporárias a determinados alimentos). A saúde do intestino reflete-se não só pelo transito intestinal, mas também pela pele (acne, irritação na pele). A pele é o reflexo do que se passa dentro do nosso corpo. 

            Os problemas intestinais podem começar devido a uma redução da produção de enzimas digestivas ou estas serem mal metabolizadas. Pode dever-se a uma dieta restrita com aporte proteico reduzido ou a uma infeção por helicobacter pylori, é por isso importante perceber se estamos a fazer uma alimentação adequada. Para manter uma microbiota saudável é importante fazer uma alimentação completa, variada e equilibrada e consumir 30g de fibras (prebióticos) por dia – fruta, legumes, cereais integrais, leguminosas. As leguminosas apresentam umas toxinas na sua casca que causam desconforto, mas há um truque para o diminuir, demolhá-las. Explico-vos também a diferença entre os prebióticos (bactérias mortas ou alimentos ricos em fibras) e probióticos (bactérias vivas) e o incrível impacto de cada uma no nosso organismo e melhora da qualidade de vida.

            Ensino-vos como corrigir, passo a passo, certos distúrbios intestinais como a diarreia, obstipação, SIBO (Small intestinal bacterial overgrowth) e doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, como diagnosticar cada uma delas e quais os sintomas. Para o tratamento destes problemas intestinais, dependendo de cada caso, é essencial um bom aporte de líquidos, a suplementação de probióticos e a Dieta Low FODMAP, que tem apresentado resultados de 90% a 100% bem-sucedidos e a qual uso muito nas minhas consultas. Consiste em retirar da alimentação alguns alimentos, naturalmente mais fermentados e, que fiquemos com o intestino o mais descansado possível, para ter capacidade de regenerar. Após 5 a 6 semanas, começa-se uma reintrodução alimentar, com o intuito de testas os alimentos que o nosso intestino tolera. 

            Uma digestão completa, desde que comemos até à formação das fezes, demora cerca de 16 horas, por isso, é importante dar tempo ao corpo para se restabelecer e se tratar quando há um desequilíbrio – opção de jejum é válida, para pessoas que acordam com inchaço e desconforto. 

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT