Benefício da alimentação plant based nas doenças crónicas

Benefício da alimentação plant based nas doenças crónicas

A alimentação Whole Plant Based (WPB), tem-se tornado cada vez mais conhecida e estudada nos últimos 5 anos, principalmente pelos benefícios metabólicos comprovados cientificamente, que têm sido bastante divulgados. Trata-se de uma estratégia alimentar, uma alimentação à base de plantas/vegetais, em que os alimentos são selecionados e consumidos na sua forma mais natural, completa, não refinada e minimamente processada. 

Uma alimentação WPB, pode diferenciar-se em muito, de um regime vegetariano/vegano. Nesta, os alimentos são selecionados com a principal finalidade da escolha nutricional, mais natural e orgânica, tendo em conta a forma como os alimentos vão ser cozinhados e respeitando a sazonalidade destes, tirando assim maior partido de todos os benefícios nutricionais. Podemos pensar então, numa alimentação à base de plantas, consciente e informada. 

Se numa alimentação vegetariana podem entrar batatas fritas de pacote, ou salsichas vegetarianas embaladas/processadas, numa alimentação WPB, estes tipo de produtos são totalmente excluídos. Sabemos que nem todas as dietas vegetarianas são saudáveis, pois estas podem cair no consumo frequente de alimentos refinados e ultra-processados. E nem todas as dietas que incluam carne, são necessariamente más. Na alimentação o mais importante é sabermos fazer escolhas de forma consciente e informada, saber compor de forma equilibrada as nossas refeições e saber escolher alimentos interessantes, com características anti-inflamatórias e antioxidantes, que vão modelar as nossas hormonas e características de expressão genética. 

O tipo de alimentos que escolhemos, vão também modelar a nossa microbiota, ou seja, a nossa população intestinal. É muito importante manter uma boa variedade e quantidade, de forma a equilibrar esta população, criando um eixo saudável intestino-cérebro, com adequada produção de neurotransmissores, que vão ajudar a modelar os pensamentos, emoções, cognição e bem-estar geral. O efeito de uma dieta WPB parece ser importante na regulação do equilíbrio intestinal, existindo estudos que mostram a abundância de certo tipo de bactérias benéficas, como aPrevotella em indivíduos que se alimentam à base de vegetais. A Provetella tem efeitos anti-inflamatórios e está relacionada com a fermentação das fibras vegetais. Já em regimes alimentares com elevado teor em proteína, existe o predomínio de populações de Bacteroides, que são estirpes que estão mais relacionadas com os metabolitos das gorduras e de aminoácidos. Usar ciclos, alternado entre regimes, ou fazermos alimentações menos restritivas, pode ajudar no reequilíbrio da microbiota. (exemplo: ter um ciclo alimentar mais focado no WPB de forma a aumentar a população de Provetellapara reequilibrar as populações de Bacteroidese vice-versa).

Num estudo interessante com 18 anos de avaliação a 48.000 pessoas, foram comparados diferentes tipos alimentares: regimes predominantemente vegetarianos, mas com o consumo de peixe, regimes com inclusão de carne, e regimes vegetarianos variados. Foi avaliado o risco cardiovascular para cada um destes. Como resultado do estudo, os regimes vegetarianos estritos, foram os que apresentaram o maior risco cardiovascular. O que nos leva a pensar que, o que afinal impacta a saúde, não é propriamente o tipo de regime, mas sim, o tipo de escolhas alimentares.

Uma alimentação WPB parece ter efeitos na redução e marcadores inflamatórios (como a Proteína C Reativa; inter-leucinas inflamatórias), ajuda a melhorar a composição corporal, assim como redução de diabetes e doenças cardiovasculares, efeitos benéficos no organismo como um todo. Num estudo de 8 semanas com a aplicação de um regime WPB a par de uma mudança de estilo de vida, verificou-se uma melhoria considerável do equilíbrio metabólico (marcadores de hipertensão arterial e dislipidémia), sendo que os indivíduos que responderam melhor, foram os que não faziam regime vegetariano anteriormente ao estudo. Parece ser interessante a alteração de ciclos e estratégias alimentares, ou seja, não manter a mesma uma estratégia única a longo prazo, introduzindo em situações específicas com marcadores de inflamação crónica e doenças metabólicas uma alimentação WPB, de forma a conseguir criar uma flexibilidade metabólica no nosso organismo e sermos mais eficientes, conseguindo assim, benefícios metabólicos mais relevantes. 

Artigo escrito por Joana Moura, Nutricionista

Bibliografia:

Borude, S. (2019). Which Is a Good Diet—Veg or Non-veg? Faith-Based Vegetarianism for Protection From Obesity—a Myth or Actuality? Obesity Surgery29(4), 1276–1280. https://doi.org/10.1007/s11695-018-03658-7

Decosas, J. (1988). Lifestyles modification program. Canadian Journal of Public Health79(6), 471.

Karlsen, M. C., Rogers, G., Miki, A., Lichtenstein, A. H., Folta, S. C., Economos, C. D., Jacques, P. F., Livingston, K. A., & McKeown, N. M. (2019). Theoretical food and nutrient composition of whole-food plant-based and vegan diets compared to current dietary recommendations. Nutrients11(3), 1–13. https://doi.org/10.3390/nu11030625

Kitada, M., Ogura, Y., Monno, I., & Koya, D. (2019). The impact of dietary protein intake on longevity and metabolic health. EBioMedicine43(xxxx), 632–640. https://doi.org/10.1016/j.ebiom.2019.04.005

Medawar, E., Huhn, S., Villringer, A., & Veronica Witte, A. (2019). The effects of plant-based diets on the body and the brain: a systematic review. Translational Psychiatry9(1). https://doi.org/10.1038/s41398-019-0552-0

Tong, T. Y. N., Appleby, P. N., Bradbury, K. E., Perez-Cornago, A., Travis, R. C., Clarke, R., & Key, T. J. (2019). Risks of ischaemic heart disease and stroke in meat eaters, fish eaters, and vegetarians over 18 years of follow-up: Results from the prospective EPIC-Oxford study. The BMJ366(1). https://doi.org/10.1136/bmj.l4897

Wei, M., Brandhorst, S., Shelehchi, M., Mirzaei, H., Cheng, C. W., Budniak, J., Groshen, S., Mack, W. J., Guen, E., Di Biase, S., Cohen, P., Morgan, T. E., Dorff, T., Hong, K., Michalsen, A., Laviano, A., & Longo, V. D. (2017). Fasting-mimicking diet and markers/risk factors for aging, diabetes, cancer, and cardiovascular disease. Science Translational Medicine9(377). https://doi.org/10.1126/scitranslmed.aai8700

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ENTRETANTO NA NiT