Conhece os benefícios do kefir?

kefir

Conhece os benefícios do kefir?

O kefir está cada vez mais na moda e são-lhe reconhecidos cada vez mais benefícios para a saúde. Conhece este alimento?

O termo kefir deriva de uma palavra turca, “keyif”, cujo significado é “sabor agradável” (Azizi et al., 2021; Dimidi, Cox, Rossi & Whelan, 2019; Farag, Jomaa, El-Wahed & El-Seedi, 2020; Kim, Jeong, Kim & Seo, 2019).

É produzido pela adição de uma cultura inicial (grãos de kefir) ao leite. Os grãos têm um aspeto parecido à couve-flor e apresentam uma cor que varia entre branco e amarelo. Estes grãos consistem em leveduras simbióticas fermentadoras de lactose; leveduras não fermentadoras de lactose; e bactérias produtoras de ácido lático e acético. As leveduras e bactérias encontram-se alojadas dentro de uma matriz polissacarídica e proteica (Azizi et al., 2021; Dimidi et al., 2019, Farag et al., 2020; Kim et al., 2019).

O kefir feito, tradicionalmente, a partir de leite meio-gordo, contabilizando 100g de produto, apresenta 50 Kcal, 1,9g de Gordura, 4,5g de Hidratos de carbono e 3,4g de Proteína (Machado & Ferraz, 2021).

Existe ainda o kefir de água que, em vez de ser produzido com o leite, é uma bebida fermentada feita com água, açúcar e grãos de kefir de água. Este kefir contém bactérias e leveduras diferentes das que se encontram no kefir tradicional. As evidências deste são muito limitadas, mas é uma opção apresentada para os vegetarianos, indivíduos com alergia à proteína do leite e intolerantes à lactose. (Azizi et al., 2021; Dimiti et al., 2019; Farag et al., 2020; Kim et al., 2019).

Alguns estudos observaram, também, que existia um alívio a nível de sintomas em indivíduos com intolerância à lactose e melhoria no sistema imunitário. Os investigadores justificam este alívio dos sintomas, relativo à intolerância, devido à presença de uma enzima, a galactosidase, que contribui para a redução da concentração de lactose após ingestão da mesma. Tem sido verificado o seu impacto na regulação da homeostase, ou seja, equilíbrio do organismo, devido ao efeito direto no eixo intestino-cérebro (Bell, Ferrão, Pimentel, Pintado & Fernandes, 2018; Dimidi et al., 2021; Peluzio, Dias, Martinez & Milagro, 2021).

O kefir é denominado de alimento fermentado com propriedades probióticas, e não como probiótico. O consumo de alimentos fermentados com propriedades probióticas destacam-se, principalmente, pela capacidade de modular a microbiota intestinal. (Azizi et al., 2021; Bell et al., 2018; Farag et al., 2020; Kim et al., 2019; Peluzio et al., 2021). 

Os péptidos, compostos bioativos e estirpes presentes no kefir para além de modular a composição da microbiota intestinal, também contribuem para diminuir a sua inflamação e melhorar o controlo da permeabilidade, resultando em diversos benefícios a nível da saúde. Alguns exemplos destes benefícios estão correlacionados com a atividade antimicrobiana, anti-inflamatória e antioxidante verificada com esta modulação (Peluzio et al., 2021).

Segundo a literatura, o kefir tem sido estudado em indivíduos que apresentam obesidade, diabetes mellitus, doenças hepáticas, cancro, doenças cardiovasculares e alterações neurológicas. Estes estudos mostraram resultados positivos quando este alimento era consumido (Azizi et al., 2021; Bell et al., 2018; Farag et al., 2020; Kim et al., 2019; Peluzio et al., 2021).

  • Kefir e obesidade: Os efeitos benéficos encontrados podem estar relacionados com a viscosidade dos exopolissacáridos, produzidos pelas bactérias presentes no kefir. A presença desta viscosidade leva a uma supressão do apetite e redução do consumo de energia e absorção de glicose e lípidos. A modulação da microbiota intestinal, neste caso, leva a alterações das condições inflamatórias no tecido adiposo e melhorias nos parâmetros metabólicos (peso, adiposidade e marcadores de inflamação) e parâmetros bioquímicos, sugerindo grande potencial para o tratamento da obesidade (Bell et al., 2018; Peluzio et al., 2021).
  • Kefir e diabetes mellitus: Mudanças na permeabilidade intestinal, leva a um desequilíbrio, contribuindo para uma inflamação que, por sua vez, leva a uma resistência à insulina, consecutivamente, desenvolvimento de diabetes. Estudos observaram que o kefir pode levar a uma redução desta insulinorresistência devido à estimulação de certos componentes que levam ao aumento da capacidade de captação de glicose pelas células musculares (Bell et al., 2018; Peluzio et al., 2021).
  • Kefir e doenças hepáticas: A utilidade do kefir em doenças hepáticas deve-se às propriedades anti-inflamatórias, ao efeito hipoglicémico e estimulação da produção do glicogénio hepático. Foi provado que o kefir possui uma capacidade antioxidante, sendo uma ferramenta importante na prevenção e tratamento de danos hepáticos causados pelo stressoxidativo (Bell et al., 2018; Peluzio et al., 2021).
  • Kefir e doenças cardiovasculares: Um estudo concluiu que pode ser útil na prevenção e tratamento da aterosclerose. Um dos fatores de risco para a ocorrência de doenças cardiovasculares é a dislipidemia. Esta pode ser melhorada com o consumo de kefir devido às alterações na microbiota intestinal que levam a um aumento de ácidos gordos de cadeia curta e de ácidos biliares (Bell et al., 2018; Peluzio et al., 2021).
  • Kefir e alterações neurológicas: A composição da microbiota intestinal tem impacto na saúde da microglia, células cerebrais. O consumo de kefir tem influência a nível da melhoria da ansiedade e função cognitiva, e diminuição de sintomas de depressão. A literatura justifica estas melhorias com o facto de o kefir ser um alimento rico em triptofano que é precursor de serotonina, sendo que esta é a hormona associada à felicidade (Bell et al., 2018; Peluzio et al., 2021).

Os alimentos fermentados são definidos como “comida ou bebida produzida através de um crescimento de bactérias controlado e a conversão em compostos alimentícios através da função enzimática”. Diversos alimentos podem ser fermentados, desde carne, peixe, lacticínios, vegetais, legumes, cereais e frutas (Azizi et al., 2021; Bell et al., 2018; Dimidi et al., 2021; Farag et al., 2020; Kim et al., 2019).

A fermentação pode ser usada para enaltecer algumas propriedades organoléticas, nomeadamente sabor e textura, e pode até mesmo tornar os alimentos em comestíveis que outrora não iriam ser consumidos pelos componentes amargos e fenólicos, como por exemplo, as azeitonas. Também pode ser usada como método de conservação dos alimentos (Azizi et al., 2021; Bell et al., 2018; Dimidi et al., 2021). 

É importante referir que não se deve consumir nenhum alimento de forma excessiva, logo é necessário moderar o consumo e manter uma alimentação equilibrada e variada. O kefir pode ser feito com diversos tipos de leite- vaca, cabra, ovelha, camelo, entre outros- assim sendo, é preciso advertir que nem todos os leites produzem as mesmas bactérias, logo os benefícios podem variar. Alguns investigadores mostraram preocupação a nível do kefir realizado em casa devido ao pouco controlo que poderá haver, tendo em conta as componentes envolvidas na fermentação, nomeadamente os microrganismos, ingredientes nutricionais e condições ambientais. É necessário ter a certeza da maneira como o kefir é produzido para poder beneficiar, da melhor forma, as suas qualidades, por isto, os investigadores recomendam a aquisição deste alimento caso não se verifiquem condições adequadas para a sua produção. (Azizi et al., 2021; Bell et al., 2018; Dimidi et al., 2021; Farag et al., 2020; Kim et al., 2019).

Artigo escrito por Inês Simões Alves (3671NE), Nutricionista Estagiária Loveat

Gostou deste tema? Leia este artigo sobre Kombucha

Para um aconselhamento mais personalizado, agende a sua consulta de nutrição com a Dra Rafaela Teixeira, especialista em saúde intestinal aqui.

Referências bibliográficas

Azizi, N. F., Kumar, M. R., Yeap, S. K., Abdullah, J. O., Khalid, M., Omar, A. R., Osman, M. A., Mortadza, S., & Alitheen, N. B. (2021). Kefir and Its Biological Activities. Foods (Basel, Switzerland)10(6), 1210. https://doi.org/10.3390/foods10061210

Bell, V., Ferrão, J., Pimentel, L., Pintado, M., & Fernandes, T. (2018). One Health, Fermented Foods, and Gut Microbiota. Foods (Basel, Switzerland)7(12), 195. https://doi.org/10.3390/foods7120195

Dimidi, E., Cox, S. R., Rossi, M., & Whelan, K. (2019). Fermented Foods: Definitions and Characteristics, Impact on the Gut Microbiota and Effects on Gastrointestinal Health and Disease. Nutrients11(8), 1806. https://doi.org/10.3390/nu11081806

Farag, M. A., Jomaa, S. A., El-Wahed, A. A., & El-Seedi, A. (2020). The Many Faces of Kefir Fermented Dairy Products: Quality Characteristics, Flavour Chemistry, Nutritional Value, Health Benefits, and Safety. Nutrients12(2), 346. https://doi.org/10.3390/nu12020346

Kim, D. H., Jeong, D., Kim, H., & Seo, K. H. (2019). Modern perspectives on the health benefits of kefir in next generation sequencing era: Improvement of the host gut microbiota. Critical reviews in food science and nutrition59(11), 1782–1793.

Machado, B., & Ferraz S. (2021). Iogurtes e leites fermentados. Associação Portuguesa de Nutrição. 57. Disponível em: https://www.apn.org.pt/documentos/ebooks/EBOOK_IOGURTES_LEITES_FERMENTADOS_para_saber_mais.pdf

Peluzio, M., Dias, M., Martinez, J. A., & Milagro, F. I. (2021). Kefir and Intestinal Microbiota Modulation: Implications in Human Health. Frontiers in nutrition8, 638740. https://doi.org/10.3389/fnut.2021.638740

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.