Como fazer com que as crianças comam mais legumes

crianças e legumes

Como fazer com que as crianças comam mais legumes

Uma das maiores dificuldades dos pais com a alimentação das suas crianças é conseguir pô-las a comer legumesO sabor, a textura e até o aspeto podem ser alguns dos vários fatores que fazem com que a criança não se sinta motivada a experimentar.

Os legumes fazem parte de um dos grupos da roda dos alimentos e por alguma razão estão lá presentes. Os seus benefícios são inúmeros, como tal, devemos tentar perfazer as porções diárias recomendadas. Torna-se importante variar o legume em si pois, como em todos os alimentos, consoante o mesmo existem diferentes componentes benéficos para a nossa saúde. Muitas instituições até dividem os legumes por cores e os nutrientes mais abundantes em cada uma.

O mais importante acaba por ser arranjar estratégias para conseguir que as crianças comam os legumes e neste artigo apresentam-se 11 estratégias que os pais podem adotar para melhorar a ingestão destes alimentos.

  • Incluir as crianças no processo de escolha dos legumes, preparação e até mesmo na apresentação do prato. Visto que são muito curiosas, é interessante ir explicando o porquê de utilizar os legumes escolhidos. Levar as crianças ao supermercado, o facto de sentirem-se incluídas na tarefa de compra e aquisição pode fazer a diferença.
  • Variar o método de confeção dos legumes. Tentar que cada refeição tenha um método diferente ou definir um dia para um método de confeção específico. Optar por grelhar, estufar, cozer a vapor, saltear, assar, entre outros.
  • Juntar sabores. Se for necessário, acrescentar algumas ervas aromáticas ou especiarias para tornar mais interessante o sabor do legume ou enaltecer o mesmo.
  • Oferecer como lanche. Cortar legumes crus em palitos e oferecer nas alturas de snack.
  • Fazer um prato colorido. Tentar evitar fazer apenas um legume e ter mais do que uma cor no prato, torna-o mais apelativo. Pode ser interessante associar um benefício consoante a cor para estimular o interesse.
  • Incorporar noutros alimentos. Pode tornar-se útil juntar um alimento em que haja resistência na sua ingestão, com um alimento que seja do seu agrado. 
  • Fazer arroz ou massa com o legume indesejado ou incorporá-lo na carne ou juntar a uma sandes. 
    • Fazer puré, sumo, sopa ou ralar em forma de esparguete.
    • Fazer um bolo, waffleou queques.
    • Utilizar como base de piza. 
  • Estimulação recreativa. Fazer jogos, contar histórias, dar nomes, fazer formas ou até ter uma mini-horta com os mesmos. Esta estimulação vai cativar mais as crianças e vai alimentar os laços entre pais e filhos.
  • Dar o exemplo. Como existe uma tendência para a criança copiar os movimentos e comportamentos dos próximos, tentar mostrar agrado ao comer um certo legume, de forma a estimular a vontade de experimentar o mesmo. Juntar amigos e família que gostem dos legumes a experimentar e cativar o seu interesse.
  • Evitar forçar de forma constante. O forçar a ingestão e a resistência constante à mesma pode resultar numa exclusão do alimento em si. Deixar passar algum tempo depois da primeira resistência e optar por incorporar noutros alimentos de forma que o legume seja mais bem recebido e que a criança se habitue ao sabor de uma forma mais satisfatória para a mesma.
  • Não desistir. A luta que pode gerar esta introdução também pode levar a que os pais desistam de tentar incluir um certo legume na alimentação da criança. O importante é tentar resolver a situação com qualquer uma das estratégias apresentadas acima. Mostrar frustração ou até mesmo desespero pode levar a atritos. Respirar fundo e variar nas estratégias pode ser uma boa forma de não gerar estes sentimentos, pois a criança também vai perceber. 
  • Evitar castigar. Esta estratégia pode ser um bocado difícil de seguir, pois muitos dos pais foram habituados a serem castigados quando eram mais novos. Esta estratégia não serve para ensinar os pais como educar os seus filhos, apenas é baseada em alguma literatura recente. O objetivo acaba por ser evitar que as crianças associem más experiências ao comportamento de resistência em ingerir um alimento, uma vez que pode levar a total rejeição. Por isso, é importante evitar que as crianças associem, ainda que inconscientemente, uma sensação negativa face a um determinado alimento.

Gostou deste tema? Leia este artigo 5 dicas para melhorar a educação alimentar das crianças.

Oiça o nosso episódio do podcast onde entrevistamos a Leonor Cicio sobre alimentação infantil.

Para um aconselhamento mais personalizado, agende a sua consulta de nutrição com a nossa Nutricionista Materno-Infantil, Dra Marta Magriço: https://zappysoftware.com/martamagrico

Artigo escrito por Inês Simões Alves (3671NE), Nutricionista Loveat

Referências bibliográficas

Adan, R. A. H., van der Beek, E. M., Buitelaar, J. K., Cryan, J. F., Hebebrand, J., Higgs, S., … Dickson, S. L. (2019). Nutritional psychiatry: Towards improving mental health by what you eat. European Neuropsychopharmacology. doi:10.1016/j.euroneuro.2019.10.011 

Guzek, D., Głąbska, D., Groele, B., & Gutkowska, K. (2020). Role of fruit and vegetables for the mental health of children: a systematic review. Roczniki Panstwowego Zakladu Higieny71(1), 5–13. https://doi.org/10.32394/rpzh.2019.0096

Hayhoe R, et al. (2021) Cross-sectional associations of schoolchildren’s fruit and vegetable consumption, and meal choices, with their mental well-being: a cross-sectional study. BMJ Nutrition, Prevention & Health 2021, 4. doi: 10.1136/bmjnph-2020-000205

Hosker, Daniel K.; Elkins, R. Meredith; Potter, Mona P. (2019). Promoting Mental Health and Wellness in Youth Through Physical Activity, Nutrition, and Sleep. Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America, S1056499318306989–. doi:10.1016/j.chc.2018.11.010 

Submeter comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.