Sal Tag

O sal, quimicamente designado por cloreto de sódio, é constituído por dois minerais: o sódio e o cloro. Estes dois minerais são essenciais ao normal e saudável funcionamento do nosso organismo, porém o consumo excessivo, particularmente de sódio (5 g de sal equivalem a 2 g de sódio), acarreta inúmeras consequências, nomeadamente: Hipertensão e, por conseguinte, doenças cardiovasculares, designadamente AVC;Aumento do risco do aparecimento de determinados tipos de cancros, em particular o cancro do estômago;Sobrecarga do funcionamento renal, provocada pelo maior esforço do rim para excretar o excesso de sódio;Maior retenção de líquidos pelo organismo, contribuindo para o aparecimento de celulite.  Assim

O sal é utilizado como tempero, adicionado durante a confeção de alimentos para aumentar o sabor dos pratos e, na indústria alimentar, é também utilizado como conservante, estabilizador, intensificador de cor e textura (1).  O sal é rico em sódio, e uma colher de chá de sal (5g) contém cerca de 1900mg de sódio (1). A Organização Mundial de Saúde recomenda que o consumo de sal, em pessoas saudáveis, seja inferior a 5 gramas por dia, no entanto, sabe-se que em Portugal, o consumo de sal ultrapassa o dobro desta quantidade (2).  Relativamente ao malefícios do consumo de sal, a evidência científica, é forte e

A elevada ingestão de sal, de acordo com Global Burden of Disease Study, é uma das maiores causas de mortalidade e risco para incapacidade, sendo que em 2017, mais de metade das mortes foram relacionadas com este hábito alimentar.1 Segundo a Organização Mundial da Saúde recomenda um consumo máximo de 5g de sal por dia (2g de sódio), por forma a evitar hipertensão, doenças cardiovasculares e  AVC.2Os portugueses consomem diariamente mais 3g de sal que o recomendado, sendo que muitas mortes poderiam ser evitadas se a ingestão de sal fosse reduzida.3 O semáforo disponibilizado pela a DGS, utilizado anteriormente nos últimos artigos de rotulagem

ENTRETANTO NA NiT